>>>Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Imagem 1: Os trabalhos dos clientes de impressores da Marvaco foram premiados internacionalmente em mais de 50 competições de impressão de embalagens. Os trabalhos de ouro e Supreme Award no Flexo Tech Print Awards 2017 também foram feitos com a impressão de gama expandida (EG) da Marvaco. Fotos cortesia de Marvaco

A impressão flexográfica de alta qualidade nunca foi tão fácil quanto é hoje. Tradicionalmente, os impressores de embalagem utilizam a impressão rotogravura como padrão ao qual elas comparam todo o resto. Hoje em dia, a qualidade da impressão flexográfica e de rotogravura é considerada no mesmo nível, o que significa que não há razão para comparar qual é a melhor. A escolha entre flexografia e rotogravura precisa ser feita em outros campos.

O desenvolvimento em todas as áreas de impressão de embalagens tem sido rápido, o que oferece novas possibilidades para os impressores. Entretanto, fazer uma mudança na produção diária também significa tomar novas ações e implementar novas formas de trabalho. Ao apontar para novos objetivos, lembre-se do ditado: “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidas vezes e esperar um resultado diferente”.

Durante a última década, vimos muitos produtos movidos da rotogravura para a flexografia. Apesar de todas as boas experiências e exemplos, ainda há muitos proprietários de marcas hesitando em converter. Isso não é surpreendente, pois até mesmo alguns impressores flexográficos ainda estão subestimando sua capacidade de imprimir flexografia de alta qualidade. Para mudar isso, precisamos continuar discutindo a impressão de alta qualidade e mostrar exemplos de primeira classe. Este artigo é sobre isso.

Por que a rotogravura ainda existe?

Todos nós fomos informados de que, tradicionalmente, a impressão de rotogravura é adequada para impressões de alta qualidade e longas tiragens. Da mesma forma, aprendemos que a impressão flexográfica é adequado para impressões de menor qualidade e menor quantidade, mas que ela pode ser usada em uma ampla gama de substratos. Embora isso tenha sido verdade 20 anos atrás, não devemos continuar repetindo esses mesmos mitos hoje. A tendência de crescimento para esses dois métodos de impressão é clara: a popularidade da impressão flexográfica está em constante crescimento, enquanto a impressão rotogravura está diminuindo.

Não há mais necessidade de rotogravura – você pode fazer tudo isso com flexografia.

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

O mundo da impressão de embalagens flexíveis reflete tradições, mas o crescimento da impressão flexográfica é uma tendência contínua. Dados cortesia de 71. DFTA-Fachtagung 2015, Martin Dreher

Quando olhamos para o mapa mundial da impressão de embalagens, vemos que a Ásia, o Oriente Médio e o Sul da Europa têm sido tradicionalmente áreas fortes de rotogravura, enquanto outras partes da Europa e da América do Norte têm sido fortes mercados flexográficos. As razões para as diferenças regionais são tradições e conservadorismo – quando as pessoas estão acostumadas a fazer as coisas de uma maneira, os métodos permanecem inalterados por muito tempo.

No entanto, durante os últimos 10 ou 15 anos, assistimos a uma rápida mudança nos mercados flexográficos regionais. Veja o que aconteceu na América do Sul e o que está acontecendo atualmente na Ásia – é uma tremenda mudança! Esses mercados saltaram diretamente para a impressão flexográfica de alta qualidade, adotando as mais novas máquinas e ferramentas. Na América do Sul, isso significa que as tecnologias de máquinas e chapas suportam totalmente a impressão de alta qualidade, já que as prensas flexográficas modernas usam tecnologia de chapas finas e a pré-impressão é feita com imagens de alta resolução.

Atualmente, o mercado asiático está saltando para este desenvolvimento, e também estamos vendo várias máquinas de impressão fabricadas na Europa instaladas na Ásia. Existem duas causas principais para esse desenvolvimento: Primeiro, a legislação mais rígida proíbe o uso de tolueno na Índia e em outras partes da Ásia, o que significa que os impressores de rotogravura devem mudar o modo tradicional de impressão para usar tintas sem tolueno (ou mudar para flexografia). Em segundo lugar, parece que os proprietários de marcas de bens de consumo de alta demanda (FMCG – Fast-Moving Consumer Goods) exigem que seus fornecedores migrem para flexografia para reduzir sua carga ambiental.

Esses dois drivers são excelentes, embora ser forçado a fazer algo ainda seja um mau motivo para iniciar um processo melhor, considerando que a flexografia pode oferecer impressões de melhor qualidade que a rotogravura. A terceira razão para o aumento do número de máquinas européias no mercado asiático é obviamente que, quando uma empresa implementa com sucesso uma solução eficiente, outras empresas começam a seguir a tendência e implementar essas mesmas soluções em um esforço para alcançar esse novo marco.

Como a Flexografia é diferente hoje?

O renascimento da flexografia – o desenvolvimento tecnológico de tintas, aniloxes, chapas, técnicas de pré-impressão e máquinas de impressão – atingiu agora o nível em que qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, pode começar a imprimir flexografia de alta qualidade e competir com a impressão rotogravura.

Os problemas que enfrentamos há 10 anos, como a ponte de retículas e o efeito halo, não existem mais na impressão flexográfica de alta qualidade. Os problemas que enfrentamos há cinco anos, como baixa intensidade de cor, baixa qualidade dos gradientes para zero, porosidade de tinta sólida e até quique, desaparecem quando as tecnologias mais recentes são usadas.

Com base no nível tecnológico atual, podemos argumentar que, se algum desses problemas ainda aparece na impressão flexográfica moderna, os problemas estão relacionados aos trabalhos de impressão que estão sendo feitos convencionalmente (da mesma forma de uma década atrás) em vez de atualizar e adotar novas tecnologias. No entanto, você deve ter em mente que ainda existem áreas de produtos especiais onde há certos desafios devido aos requisitos especiais do material ou da tinta, como resistência especial a cores, laminação ou um processo de esterilização.

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Imagem 2: A impressão Gama Extendida de alta qualidade da Marvaco com cores OGV expande a gama de 73% de cobertura PMS (CMYK) para 91% de cobertura PMS (CMYKOGV) em 3,0 Delta E 2000. Observe que a cobertura CMYK tradicional dos tons PMS é tipicamente 45% para 55 por cento.

Os avanços da última década foram impressionantes:

Aniloxes: As telas de anilox são mais finas e a estrutura celular não está mais na forma hexagonal tradicional
Tintas: As tintas secam notavelmente mais lentamente. Além disso, a pigmentação e a transferência de tinta foram melhoradas significativamente. Na impressão de processo de alta qualidade, você quase nunca tem problemas de pontes de retículas devido a problemas de secagem de tinta
Repro: Existem várias novas ferramentas de repro para melhorar os realces e sombras, e o EG finalmente conseguiu romper
Exposição de chapas: há muitas novas soluções como a linha de Gravadoras Flexográficas Digitais CRON HDI de altíssima resolução (4000, 4800, 5080 e 9600dpi), além da tecnologia LED, que introduz novas oportunidades de melhoria
Chapas: A exposição da chapa flexográfica e a transferência aprimorada de tinta, juntamente com as estruturas de superfície e as soluções de pontos para destaques, permitiram melhorias significativas. Chapas Flexográficas com ponto de topo plano, como a chapa flexográfica TOYOBO Cosmolight, tem um efeito enorme na melhoria da qualidade
Fitas: Este setor ainda não viu tantas melhorias e mudanças quanto outras áreas, mas a solução de substituir a fita de espuma de almofada é talvez o desenvolvimento mais interessante para máquinas de tambor de impressão central (CI)
Máquinas: A digitalização, a velocidade e a estabilidade da impressora (o desafio mais difícil) melhoraram significativamente, o que influenciou a qualidade e a produtividade.

Avanços da gama expandida de alta qualidade

Nada é como costumava ser. Até mesmo a sensação de estar ao lado de uma impressora flexográfica no chão de uma indústria mudou. No passado, você podia sentir em seus ossos que a máquina flexográfica estava funcionando a 1.500 pés por minuto, e a vibração causada pelo salto estava martelando o chão e fazendo um barulho terrível como uma chapa batendo contra um anilox ou um tambor de impressão central. Hoje, a sensação é calma e silenciosa – sem saltos ou ruídos, embora a velocidade da máquina seja a mesma ou até mais alta.

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Imagem 3: Kai Lankinen da Marvaco (à esquerda) e Petr Blasko da SOMA, apresentando a co-impressão de Gama Expandida de alta qualidade “Petfood” (a 254 lpi) feita na drupa 2016 em Düsseldorf, Alemanha. A qualidade da impressão excedeu a da rotogravura.

A Drupa 2016 mudou muito a flexografia. Lá, vimos que uma impressora flexográfica pode ser acondicionada em um espaço menor do que antes e ainda assim ser capaz de atingir grande velocidade e excelente qualidade. O projeto colaborativo de Gama Expandida “Petfood” EG produzido pela Marvaco e SOMA (veja a Figura 3) foi um dos melhores exemplos da qualidade ultra-alta e qualidade fotográfica, a alta velocidade e o salto reduzido de qual flexografia é agora capaz.

O trabalho foi produzido ao vivo na drupa com uma resolução de imagem muito alta de 254 lpi nas chpas flexográficas, impressas em PET de12 μm numa velocidade 1.200 fpm (pés por minuto) usando uma impressora SOMA Optima2. A separação multi-cor da imagem foi feita com CMYK + GV (EG-Gama Expandida CMYK com tinta verde e violeta), seis cores de processo e branco. A imprensa SOMA utilizou o mecanismo de Controle Anti-Salto da empresa, por isso ousamos fazer um projeto sem um típico degrau das pistas. Aniloxes foram 1.523 lpi e 1.8 bcm, que ainda criavam sólidos lisos e fortes (densidade de preto de 1.7), com vinhetas desaparecendo completamente a zero.

Foi um momento impressionante e um avanço que provou que a Gama Expandida de alta qualidade pode ser fácil. Não havia dúvidas se o trabalho de “Petfood” estava próximo da qualidade da impressão de rotogravura. Os visitantes que viram as amostras em diferentes estandes de parceiros comentaram que “isso não pode ser flexo, isso deve ser rotogravura”; até mesmo os impressores de rotogravura afirmavam que tinha que ser rotogravura, não flexografia.

A eficiência da impressão de grupo

A impressão “Petfood” na drupa lançou uma parceria e um co-desenvolvimento entre Marvaco e SOMA, que foram motivados a apresentar exemplos adicionais de impressão flexográfica EG (Gama Expandida) de alta qualidade com eficiência ainda maior.

Como a gama expandida é geralmente considerada uma tecnologia de 7 cores, queríamos demonstrar a impressão do caso “Petfood” em seis cores. Mas para o próximo show, Labelexpo Europe 2017, em Bruxelas, na Bélgica, queríamos aumentar ainda mais o espaço de cores e aumentar a produtividade. Para aumentar o desafio e a visualidade, adicionamos prata como a oitava cor para criar tons metálicos e criamos um design de impressão de grupo. Isso resultou em uma coleção de nove artes diferentes na mesma folha, contendo mais de 30 cores diferentes (veja a Figura 4).

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Imagem 4: Uma co-impressão EG (Gama Expandida) de alta qualidade (a 178 lpi) feita para a Labelexpo Europe 2017 pela Marvaco e SOMA, mostrando a capacidade da Marvaco EG na impressão de grupos.

O material agora era ainda mais desafiador: o laminado autoadesivo tinha uma espessura maior (133 µm) devido ao PP colado e ao material de liberação. Enquanto isso, já havíamos experimentado com a impressão EG na vida real e visto que 178 lpi na chapa funcionariam sem problemas. Devido a isso, a demo foi novamente impressa em 178 lpi. Nós imprimimos em um SOMA Optima a 1.150 fpm com anilox de 2.1 bcm.

O design se parece com um trabalho de linha, mas tudo foi criado ao rasterizar as imagens usando EG CMYK + OGV + silver. A exatidão do registro é sempre um fator crítico na execução da separação multicor, mas as impressoras flexográficas modernas, diretamente orientadas de impressão central, como a SOMA Optima, mostraram constantemente que podem manter registros, e até mesmo os menores textos negativos até a separação multicor de 4 cores são possíveis . Essas experiências nos levaram a usar a separação multicolorida na vida real para pequenos textos e até códigos de barras.

O que aprendemos?

Já foi dito que o anilox é o coração da máquina flexográfica. O anilox também foi uma escolha crítica no trabalho “Petfood”. Para fazer a contagem ultra-alta de lineatura de 254 lpi na chapa, o anilox também precisava ter uma contagem alta.

Por isso, selecionamos um anilox de 1.523 lpi. Quando a contagem de linhas anilox aumenta, o volume de células anilox diminui. Para imprimir os menores detalhes e os menores pontos enquanto ainda obtemos sólidos perfeitamente fortes, precisávamos de uma transferência de tinta que fosse baixa e boa. Quando selecionamos um volume muito baixo de 2.1 bcm, sabíamos que precisávamos de um novo tipo de gravação celular alongada. A tradicional gravação hexagonal de 60 graus não foi capaz de fornecer a transferência de tinta necessária. Mais tarde, aprendemos que uma lineatura ainda mais baixa atenderia às nossas necessidades e, atualmente, estamos usando aniloxes alongados em forma de célula com aproximadamente 1.300 lpi e 2.1 bcm.

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Os dados dos projetos drupa 2016, Labelexpo Europe 2017 e SOMA Flexo Challenges Conference 2018 mostram o desenvolvimento do EG ao longo dos anos.

Naturalmente, o anilox de lineaturas ultra-altas é muito exigente para especificações de tinta, mas sabíamos que os mais recentes desenvolvimentos de vários fornecedores de tinta poderiam lidar com isso. Nossos testes também mostraram que as variantes mais antigas de receitas de tinta não estavam indo tão bem. Em flexografia de alta qualidade, a tinta precisa secar muito lentamente para que a camada de tinta muito fina não seque na chapa. Com base em nossas experiências, podemos afirmar que, se houver um problema de impressão, alguma parte do processo não foi atualizada. Com ferramentas modernas, você pode eliminar a maioria dos problemas de impressão.

Imprimindo um trabalho de vetores ou um trabalho de retículas?

Qual é o maior medo em fazer um trabalho simples de vetores funcionar na tela? As questões enfrentadas aqui são geralmente as mesmas: como você mantém o registro em três cores em texto negativo, e a cor da marca será consistente quando feita por meio da separação de cores?

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Imagem 5: Uma cópia de alta qualidade do EG (a 178 lpi) feita na conferência Flexo Challenges Conference 2018 da SOMA em maio na República Tcheca, mostrando a capacidade do EG de transferir trabalhos de rotogravura para flexografia. Da esquerda para a direita: Petr Blasko da SOMA, Pavla Kusa da SOMA e Kai Lankinen da Marvaco.

Para usar a Gama Expandida de alta qualidade com sucesso, você precisa controlar os detalhes e as tolerâncias, o que significa que o processo de impressão com seus desvios deve ser controlado e você precisará de um profissional experiente para fazer a pré-impressão.

Para demonstrar tudo isso, a Marvaco, com o parceiro SOMA, concluiu um projeto Gama Expandida de alta qualidade para a Conferência Flexo Challenges 2018 da SOMA, realizada na República Tcheca em maio. Coletaram 18 designs em uma co-impressão onde mais de 30 cores foram impressas com apenas sete mais uma cor – em uma única passagem. Coletamos vários desafios em um único design e demonstramos como o design colorido poderia ser impresso com apenas CMYK + OGV + branco no BOPP.

Sólidos lisos, pequenos textos, detalhes muito finos e elementos com tolerâncias apertadas foram reunidos em um único design. A demonstração ao vivo apresentou designs como aqueles que foram impressos com rotogravura no passado. A lineatura era de 178 lpi, o que consideramos ser o novo padrão em alta qualidade da Gama Expandida na flexografia.

Imagem 6: (Da esquerda) Petr Blasko, Dresler Romano, Pavla Kusa, Zbynek Zemanek e Martin Shejbal da SOMA recebem o Certificado de Parceiro EGP da Marvaco em 2017.

Como todos sabemos, os sistemas de Gama Expandida não cobrem 100% do espectro completo de PMS, nem é prático construir todos os elementos de cor (por exemplo, textos castanhos) a partir de várias cores de processo. Em qualquer caso, o sistema é adequado quando as cores e os elementos podem ser mantidos dentro de tolerâncias aceitáveis. Os sistemas de Gama Expandida são ainda capazes de expandir e estabilizar a impressão de processo sobre a gama CMYK, com um notável aumento de qualidade e produtividade em muitos produtos.

E depois?

Como a última década fez a Flexografia de alta qualidade um processo de impressão superior

Imagem 6: (Da esquerda) Petr Blasko, Dresler Romano, Pavla Kusa, Zbynek Zemanek e Martin Shejbal da SOMA recebem o Certificado de Parceiro EGP da Marvaco em 2017.

Espero que este artigo tenha inspirado e motivado você a dar os próximos passos em direção à impressão de processo de alta qualidade com alta eficácia geral do equipamento (OEE – Overall Equipament Effectiveness). Vimos que podemos alcançar as densidades e detalhes que não eram possíveis antes e nossos próximos passos são substituir uma parte ainda maior dos produtos impressos por rotogravura com a flexografia de Gama Expandida.

Sobre o autor: Kai Lankinen tem 20 anos de experiência em impressão flexográfica de alta qualidade, e tem sido responsável por operações de impressão em grande escala, bem como seu desenvolvimento. Desde 2004, ele tem pesquisado sobre impressão de processos multicoloridos e, nos últimos 10 anos, gerenciou uma empresa de pré-impressão de embalagens altamente premiada que possui sete locais de produção no norte da Europa e atende impressores de embalagens e proprietários de marcas em todo o mundo. Kai é pioneiro no desenvolvimento moderno de processos Gama Expandido de alta qualidade com parceiros de impressão, fabricantes de impressoras, produção de tinta e chapas e produção de anilox e fitas.

A Marvaco premia impressores e fornecedores de soluções de impressão com Certificados de Parceria Expanded Gamut Printing (EGP) desde 2015. O objetivo da Certificação Marvaco EGP para Parceiros é facilitar o reconhecimento de fornecedores que podem fornecer ferramentas de processo de impressão de Gama Expandida e aumentar a conscientização sobre todos os sistemas de paletas fixas disponíveis.

Se você estiver interessado em discutir mais sobre a impressão Gama Expandida de alta qualidade ou se tiver dúvidas sobre o processo, contate Kai em [email protected] ou Roman Dresler da SOMA em [email protected]

Artigo publicado originalmente em:

2018-08-01T19:39:56+00:0018 de julho de 2018|Categories: Artigos|Tags: , , , |